sexta-feira, 8 de junho de 2012

Remendo Novo em Pano Velho - Primeira Parte


Mensagem nº 119

Mensagem ministrada em 08/06/12; Sexta à noite; pelo Pr. Josnei Borges dos Santos na Comunidade Barra São João (Benedito Novo - SC).

Obs: Todos os sublinhados, grifos em negritos são meus.


          Texto base: [Mateus 9:16].

“Ninguém deita remendo de pano novo em roupa velha, porque semelhante remendo rompe a roupa, e faz-se maior a rotura.” [Mateus 9:16].

“Ninguém remenda uma roupa velha com um retalho de pano novo; porque o remendo novo encolhe e rasga a roupa velha, aumentando o buraco.” [LINGUAGEM DE HOJE].

“Ninguém põe remendo de pano novo em roupa velha, pois o remendo forçará a roupa, tornando pior o rasgo” [NOVA VERSÃO INTERNACIONAL].

O texto nos mostra que remendo novo em roupa velha afeta toda a estrutura do tecido. O remendo novo em pano velho vai danificar a peça de roupa na primeira vez que for ao tanque ou a máquina de lavar. 

1. Veste velha representa nossa natureza adâmica com suas paixões e concupiscências.

Veste velha significa os velhos costumes da carne pecaminosa: [Gálatas 5:19-21].

“19-Porque as obras da carne são manifestas, as quais são: adultério, prostituição, impureza, lascívia,
20-Idolatria, feitiçaria, inimizades, porfias, emulações, iras, pelejas, dissensões, heresias,
21-Invejas, homicídios, bebedices, glutonarias, e coisas semelhantes a estas, acerca das quais vos declaro, como já antes vos disse, que os que cometem tais coisas não herdarão o reino de Deus.” [Gálatas 5:19-21].

Essa roupa velha (O velho homem com seus feitos) não suporta remendo novo (Vida de Cristo Natureza Divina).

O ser humano é conservador.  Teme o novo para a sua vida. Como teme ao desconhecido, prefere deixar as coisas do jeito que estão. Prefere as velhas e conhecidas estruturas e tradições dos seus antepassados. Muitos chegam a dizer: Eu nasci assim e vou continuar vivendo assim, e morrerei assim.”

Por instinto o homem gosta de improvisar quando defronta com algum problema. Faz um remendinho aqui, outro ali, e fica pronto um provisório para sempre”.

Somos tentados a viver de remendos. Porém Jesus Cristo não aceita vidas remendadas. A Palavra de Deus afirma que todas as nossas justiças são como trapos de imundícia diante dos Seus olhos. “Mas todos nós somos como o imundo, e todas as nossas justiças como trapo da imundícia...” [Isaias 64:6].

Da mesma maneira que não é aceitável adicionar informações do Evangelho da Graça de Deus nas velhas tradições religiosas; não seria sábio remendar panos de menstruação de três dias de uso sem troca por uma mulher no deserto, num calor intenso, chegando a 40 e 50 graus.

Seria insensatez e completamente impossível tentar remendar a velha natureza caída que herdamos de Adão. Somos salvos pela graça de Deus, e não pelos nossos próprios esforços.

“8-Porque pela graça sois salvos, por meio da fé; e isto não vem de vós, é dom de Deus.
9-Não vem das obras, para que ninguém se glorie;” [Efésios 2:8-9].

“Não pelas obras de justiça que houvéssemos feito, mas segundo a sua misericórdia, nos salvou pela lavagem da regeneração e da renovação do Espírito Santo,” [Tito 3:5].

Vida de Cristo em nós não é comportamento ensinado. Todos os nossos esforços humanos são trapos que não suportam remendos novos. A Bíblia diz que toda estrutura velha precisa ser trocada: “E dar-vos-ei um coração novo, e porei dentro de vós um espírito novo; e tirarei da vossa carne o coração de pedra, e vos darei um coração de carne.” [Ezequiel 36:26].

Tratando da Doutrina de Salvação (Novo Nascimento), o velho é irreparável, precisa ser destruído e ceder lugar ao novo. Jamais funcionará colocarmos princípios da Graça de Deus em conceitos antigos, fundamentados na integridade humana. O orgulho humano não suporta a doutrina de Cristo. “Muitos, pois, dos seus discípulos, ouvindo isto, disseram: Duro é este discurso; quem o pode ouvir?” [João 6:60].

O tecido velho não suportará os efeitos da glória celestial. Não é possível remendar o velho homem. Ele é incorrigível, precisa ser crucificado e morto com Cristo.

“6-Sabendo isto, que o nosso homem velho foi com ele crucificado, para que o corpo do pecado seja desfeito, para que não sirvamos mais ao pecado.
7-Porque aquele que está morto está justificado do pecado.” [Romanos 6:6-7].

Pela fé vejo as obras da carne crucificadas no único sacrifício de Jesus Cristo na cruz do calvário. “E os que são de Cristo crucificaram a carne com as suas paixões e concupiscências.” [Gálatas 5:24].

A velha natureza precisa ir para a cruz. Tão somente a morte do velho homem pode nos tornar livres do pecado; para pertencermos a Cristo, quando ressurgimos juntamente com Ele como Novas Criaturas.

“22-Que, quanto ao trato passado, vos despojeis do velho homem, que se corrompe pelas concupiscências do engano;
23-E vos renoveis no espírito da vossa mente;
24-E vos revistais do novo homem, que segundo Deus é criado em verdadeira justiça e santidade.” [Efésios 4:22-24].

É completamente impraticável costurar o tecido novo resistente da regeneração e vida de Cristo, numa roupa velha enfraquecida pelo egoísmo humano. Trata-se de um desastre pré-anunciado. Inevitavelmente ocasionará uma rotura ainda maior.

Desde o Éden, depois do pecado, o homem procura solução imediata nas religiões e tradições humanas. Após pecar Adão fundou a primeira denominação religiosa no Paraíso: FOLHA DE FIGUEIRA.” Este é o nome da primeira Placa Denominacional fundada pelo homem. Porém não foi suficiente para tapar a sua nudez. Adão precisou da intervenção Divina que proveu um animal para o sacrifício. Do couro daquele animal morto foi providenciado uma veste para o casal desobediente; comprovando que os conceitos da religião humana não podem proporcionar segurança para a geração caída em Adão. “E fez o SENHOR Deus a Adão e à sua mulher túnicas de peles, e os vestiu.” [Gênesis 3:21].

A vestimenta de peles é um tipo de Cristo. Ele é a nossa justiça, santificação e redenção. “Mas vós sois dele, em Jesus Cristo, o qual para nós foi feito por Deus sabedoria, e justiça, e santificação, e redenção;” [I Coríntios 1:30].

Coisa nenhuma além de Cristo pode nos salvar. As tradições que recebemos de nossos pais não podem restaurar absolutamente nada.

“6-E ele, respondendo, disse-lhes: Bem profetizou Isaías acerca de vós, hipócritas, como está escrito: Este povo honra-me com os lábios, Mas o seu coração está longe de mim;
7-Em vão, porém, me honram, Ensinando doutrinas que são mandamentos de homens.
8-Porque, deixando o mandamento de Deus, retendes a tradição dos homens; como o lavar dos jarros e dos copos; e fazeis muitas outras coisas semelhantes a estas.
9-E dizia-lhes: Bem invalidais o mandamento de Deus para guardardes a vossa tradição.
13-Invalidando assim a palavra de Deus pela vossa tradição, que vós ordenastes. E muitas coisas fazeis semelhantes a estas.” [Marcos 7:6-9, 13].

A Palavra de Deus está nos orientando que não podemos adaptar a Natureza Divina de Cristo na veste velha do individualismo humano. A indumentária egocêntrica do ser humano se encontra desgastada e enfraquecida pelo pecado.

Todos os esforços para remendar roupa velha com tecido novo são inúteis. Costurar retalho novo em veste velha ocasionará dois desastres:

Primeiro: Estrago estrutural. O tecido velho já cansado pelo tempo não suportará o ajuste do tecido novo que irá ceder na primeira vez que for à lavanderia; acarretando um rasgo bem maior.

Segundo: Ruína estética. A textura nova em contraste com o tecido velho tornará mais visível o desbotado da roupa. O remendo novo deixará a roupa com aspecto de mais velha ainda, e não resolverá o problema.

2. Remendo novo significa o Evangelho da graça de Deus e a vida de Cristo em nós.

A doutrina de Cristo não se encaixa com a cultura do velho homem. Por esta razão o velho homem precisa morrer. Nas suas pregações o apóstolo Paulo dava ênfase à Palavra da Cruz. “Porque nada me propus saber entre vós, senão a Jesus Cristo, e este crucificado.” [I Coríntios 2:2].

A mensagem da cruz anuncia que o velho homem precisa ser aniquilado no sacrifício de Jesus Cristo. O velho homem precisa ser destronado do seu trono de justiça própria.

“Trazendo sempre por toda a parte a mortificação do Senhor Jesus no nosso corpo, para que a vida de Jesus se manifeste também nos nossos corpos;” [II Coríntios 4:10].

“14-Porque o amor de Cristo nos constrange, julgando nós assim: que, se um morreu por todos, logo todos morreram.
15-E ele morreu por todos, para que os que vivem não vivam mais para si, mas para aquele que por eles morreu e ressuscitou.” [II Coríntios 5:14-15].

“... estais mortos com Cristo...” [Colossenses 2:20].

Os princípios de Jesus não se adaptam com os costumes do velho Adão. Por este motivo surge a necessidade de se fazer tudo novo na ressurreição do Filho de Deus.

“Porque, se fomos plantados juntamente com ele na semelhança da sua morte, também o seremos na da sua ressurreição;” [Romanos 6:5].

“Palavra fiel é esta: que, se morrermos com ele, também com ele viveremos;” [II Timóteo 2:11].

“3-Bendito seja o Deus e Pai de nosso Senhor Jesus Cristo que, segundo a sua grande misericórdia, nos gerou de novo para uma viva esperança, pela ressurreição de Jesus Cristo dentre os mortos,
4-Para uma herança incorruptível, incontaminável, e que não se pode murchar, guardada nos céus para vós,” [I Pedro 1:3-4].

Mortos e ressuscitados em Cristo, recebemos a Sua Natureza Divina.

“Pelas quais ele nos tem dado grandíssimas e preciosas promessas, para que por elas fiqueis participantes da natureza divina, havendo escapado da corrupção, que pela concupiscência há no mundo.” [II Pedro 1:4].

A natureza divina é a vida de Cristo em nós. “Assim que, se alguém está em Cristo, nova criatura é; as coisas velhas já passaram; eis que tudo se fez novo.” [II Coríntios 5:17].

“Já estou crucificado com Cristo; e vivo, não mais eu, mas Cristo vive em mim; e a vida que agora vivo na carne, vivo-a na fé do Filho de Deus, o qual me amou, e se entregou a si mesmo por mim.” [Gálatas 2:20].

3. Nascer de novo não é reforma da natureza pecaminosa do homem.

Novo Nascimento não significa um aceitável aprimoramento moral e comportamental. Não temos em nós mesmos nenhuma condição de nos aprimorar.

“As suas teias não prestam para vestes nem se poderão cobrir com as suas obras; as suas obras são obras de iniqüidade, e obra de violência há nas suas mãos.” [Isaias 59:6].

Pelo que, ainda que te laves com salitre, e uses muito sabão, a mancha da tua iniquidade está diante de mim, diz o Senhor Deus.[Jeremias 2:22].

pode o etíope mudar a sua pele, ou o leopardo as suas malhas? então podereis também vós fazer o bem, habituados que estais a fazer o mal.[Jeremias 13:23].

4. Jesus não veio decretar remendos nem transformação baseada nos sacrifícios e esforços humanos, porém regeneração n’Ele.

Novo nascimento não significa modificação de estrutura religiosa, mas de um novo estilo de vida, a vida de Cristo vivendo em nós em tudo que fizermos.

A experiência de aventurar-se em resolver o problema do relacionamento com Deus através da religião e tradição humana leva o homem moderno à ansiedade, angústia, depressão e até mesmo alucinação. “Será também como o faminto que sonha que está a comer, mas, acordando, sente-se vazio; ou como o sedento que sonha que está a beber; mas, acordando, sente-se desfalecido e sedento...” (Isaias 29:8).

O povo precisa de profetas verdadeiros que tenham compromisso com a Palavra de Deus. Basta de remendos, basta de caiações: “Os seus profetas lhes passam caiação, tendo visões falsas, profetizando mentiras, e dizendo: Assim diz o Senhor Deus; sem que o Senhor tivesse falado” (Ezequiel 22:28).

A palavra caiação se refere à uma pintura mal acabada, ordinária, sem nenhum valor e de pouca duração.

Chega de remendos e caiação! Jesus não se apresentou para fazer remendos, nem melhoramentos no velho homem. Ele desceu a terra para nos fazer novos homens, novas mulheres, novas criaturas n’Ele, para a Glória de Deus.

O Espírito de Deus faz uma pergunta: Como está a nossa vida? Vida remendada, juntando os pedaços de culto em culto? Ou vida transformada em Jesus Cristo?”

1 comentários:

Postar um comentário